Parceiros

ATR
A Associação Terapêutica do Ruído (ATR) é uma entidade informal e disforme que tem como propósito divulgar os efeitos terapêuticos do ruído. Esta forma de terapia permite aos pacientes libertarem-se das tensões e frustrações do seu quotidiano através da exposição a doses maciças e concentradas de ruído. Surgida em meados de 2007, algures em Lisboa, a ATR tem vindo a promover diversas sessões um pouco por todo o país, dando a oportunidade a inúmeros especialistas de exporem o seu ruído. 


1359

A livraria e atelier de edições independentes 1359 concentra-se no mercado editorial de pequenas tiragens e vem investigando o cenário de trocas em Portugal e Brasil dentro do contexto editorial independente. Além da actuação enquanto casa de impressões de múltiplos de artistas e editora, a 1359 propõe-se também enquanto ponto de encontro dos livros de ilustração, fotografia, fanzines e objectos de autor.

 

Stolen Prints
Estúdio de impressão em Lisboa, especializado em produção de edições limitadas de livros, fanzines e múltiplos, em Risografia, Offset digital e Serigrafia.


RAUM

É uma plataforma online que aloja residências de artistas e estruturas ligadas à criação e programação artística e outras, com actividades nos domínios da difusão, educação e formação na área das artes - nomeadamente unidades de investigação universitária, projectos editoriais, museus, escolas de artes visuais e projectos independentes. As áreas artísticas inicialmente contempladas são a fotografia, as artes visuais, cinema, arquitectura, design, música e artes sonoras.
As entidades parceiras são convidadas a desencadear processos criativos, que se materializam em propostas de criadores convidados: textos de investigação, artigos, ensaios visuais, projectos gráficos, sonoro-musicais, cinematográficos ou outros, realizados especificamente para a plataforma.


A BESTA

É um colectivo editoral independente de música alternativa, com princípios assentes na filosofia do-it-yourself. Composta por um conjunto de ego-maníacos de esquizofrénica atomização, a Besta trata-se de gente sediada em parte alguma com vontade de estar em todo o lado. Fundada em noites de produtividade duvidosa no ano de 2013 e no ímpeto bem pós-mó de fazer coisas ou criar, avança como tecto sem-abrigo de promoção de eventos culturais ou como editora contando com bichos de toda a espécie e tamanho. Tem braços suficientes para abraçar aqueles que, assentes na ideia da música livre feita para gente liberta ou com desejo de se libertar, queiram entrar no seio d’A BESTA.